Venezuelana era mantida em cárcere privado em Russas e era proibida de usar o banheiro, segundo denúncia do MPF

Escravidão em Russas

A venezuelana mantida em situação análoga à escravidão em Russas e Juazeiro do Norte, no Ceará, não tinha permissão para usar o banheiro da casa onde foi mantida em cárcere privado, segundo o Ministério Público Federal (MPF). O órgão denunciou três pessoas pelo caso à Justiça Federal, acusadas por tráfico de pessoas, cárcere privado e escravidão. Somadas, as penas podem chegar a 24 anos de prisão.

Segundo o MPF,  as investigações apontam que a vítima foi explorada, inicialmente trabalhando por duas semanas em Russas, e depois sendo enviada para Juazeiro, onde foi submetida à humilhações por cerca de três meses. Além de ser mantida em cárcere privado, a vítima não tinha direito a todas as refeições do dia, e fazia as necessidades fisiológicas na chácara onde trabalhava.

Os denunciados pelo caso são Eugênia Michelly de Oliveira Queiroz, Cosma Severina da Silva e José de Arimateia Alecrim de Figueiredo. Segundo a denúncia, foi Eugênia quem intermediou a vinda da vítima ao Ceará, com a promessa de trabalho e remuneração. Em Juazeiro do Norte, a venezuelana trabalhou na chácara e na residência da denunciada Cosma, sem nunca ter recebido remuneração. Quem levava a mulher até o local era Arimateia.

Para o MPF, Eugênia é líder do grupo criminoso e principal responsável pelos crimes. Foram encontrados documentos relacionados a estrangeiros e Eugênia na casa de Cosma e José de Arimateia. Para o Ministério, são indícios de quenão é a primeira vez que a denunciada pratica os crimes.

“Ao chegar ao Ceará, a vítima passou a trabalhar todos os dias da semana, sem direito a descanso, assinatura de carteira de trabalho e salário. Sua jornada laboral começava às 6 horas na residência de Cosma. Após, ainda sem se alimentar, era levada pelo codenunciado José de Arimatéia à chácara de Eugênia para limpar o jardim e aguar as plantas. Ao entrar no terreno da chácara, o portão era trancado para que não saísse. Passava todo o dia limpando o terreno. Não tinha acesso ao interior da casa da chácara, que permanecia trancada”, diz a denúncia do MPF.

Ainda de acordo com as investigações, a venezuelana não tinha direito ao café da manhã, e, para não ficar com fome, se alimentava de mangas que pegava na chácara. O almoço era entregue por Arimateia. Ao final do dia, a venezuelana era buscada na chácara e retornava para casa de Cosma, onde prosseguia com as atividades domésticas. No jantar, só era autorizada a comer depois de todos da casa, e não podia acessar a geladeira.

Na residência, ela era mantida trancada, sem acesso a telefone, internet ou qualquer outro meio de comunicação, inclusive contato externo. A vítima dormia de rede na casa de Cosma em uma biblioteca que servia de quarto, mas seus pertences eram guardados em sacolas e mochilas dispostos em um corredor da casa.

ONG

O MP confirma que a venezuelana emigrou para o Brasil de forma legal, pela cidade de Pacaraima (RR) em maio de 2018 e depois foi para Boa Vista, em busca de emprego. Lá, a mulher foi acolhida pela ONG Trabalhar para Recomeçar.

Em contato com a ONG, Eugênia informando que pretendia empregar duas venezuelanas em atividades domésticas. Ao concordar com a proposta, foi feito um Termo de Aceitação de Proposta entre a vítima e a denunciada, definindo que a venezuelana prestaria serviços domésticos na cidade de Russas, na casa de Eugênia, recebendo remuneração de R$ 954,00 mensais.

As investigações mostraram que, para ocultar os crimes, Eugênia passou a negar e prestar informações falsas à ONG Trabalhar para Recomeçar.

Diário do Nordeste

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.