Tratamento de queimaduras com pele de tilápia é citado em série dos EUA

Ainda inédita no Brasil, a série aborda a rotina do jovem cirurgião Shaun Murphy, que foi diagnosticado com autismo e síndrome de Savant

147352_GROUP_PUZZLE_03
Na ocasião, ele cita que o tratamento já feito em um centro de saúde chamado de Hospital Comunitário de San Diego com base na técnica brasileira ( Foto: Reprodução )

O tratamento para queimaduras com pele do peixe tilápia, que tem o Ceará como estado pioneiro, foi destaque no 6º episódio da série de TV ‘The Good Doctor’.

Ainda inédita no Brasil, a série aborda a rotina do jovem cirurgião Shaun Murphy, que foi diagnosticado com autismo e síndrome de Savant. Trabalhando no hospital San Jose St. Bonaventure, ele busca saídas para tratar os pacientes e desafiar o ceticismo dos colegas.

No episódio em que o tratamento com pele de tilápia é citado, um dos médicos da equipe, identificado por Jared Kalu, tenta salvar a vida de uma mulher atingida por queimaduras de 2º e 3ª graus. Ela está com um grave ferimento no pescoço quando o personagem sugere otratamento experimental com a pele do peixe.

Na ocasião, ele cita que o tratamento já feito em um centro de saúde chamado de Hospital Comunitário de San Diego, mas que já havia sido utilizado em um hospital brasileiro, sem citar o nome da unidade. Porém, o chefe do médico reluta em aceitar a saída proposta por Kalu, mesmo ele justificando que o recursos diminuiria as dores e evitaria infecções.

Mais na frente, o trecho do episódio acaba mostrando que a pele de tilápia será usada. Veja:

Sobre o tratamento

A pele de tilápia tem como vantagem a diminuição dos procedimentos de troca de curativos, o que acarreta menos dor e desconforto ao longo do tratamento. Outro benefício é que a pele animal tem maior quantidade de colágeno dos tipos 1 e 3, proteínas importantes no processo de cicatrização. O uso da pele de tilápia também evita contaminação bacteriana e perda de líquidos por exsudato, secreção de natureza inflamatória.

O estudo, desenvolvido pela Universidade Federal do Ceará (UFC) e já utilizado pelo Instituto Dr. José Frota, foi o primeiro feito com um animal aquático do mundo e tem a direção do médico e professor Odorico de Moraes, coordenador do Núcleo de Pesquisa e Desenvolvimento de Medicamentos (NPDM); coordenação médica de Edmar Maciel, presidente do IAQ; e coordenação de enfermagem de Cybele Leontsinis, do Centro de Tratamento de Queimados do IJF. A idealização do projeto é do médico pernambucano e cirurgião plástico Marcelo Borges.

Diário do Nordeste

você pode gostar também Mais do autor

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.