Saiba como dar entrada no Seguro DPVAT

Sem Atravessadores

Fortaleza ocupa, atualmente, o segundo lugar entre as capitais que mais registraram acidentes de trânsito em 2017, ficando atrás de São Paulo. É o que informa um boletim produzido pela Seguradora Líder, administradora do Seguro DPVAT (Danos Pessoais Causados por Veículos Automotores de Vias Terrestres), que contabilizou 3.908 ocorrências no ano passado na Capital. O levantamento revelou  que 79% dos casos resultaram em invalidez; 15% em despesas médicas (DAMs); e 5% em morte. Uma dúvida que as pessoas têm é sobre como se dá o processo de solicitação da cobertura.

Após o acidente, é necessário a apresentação do Registro Geral (RG) e do Boletim de Ocorrência (B.O). Os outros documentos dependem da cobertura que será pleiteada. Em caso de indenização para despesas médicas, deverá ser solicitado a assinatura de um agente policial, bem como a identificação formal da pessoa que está comunicando a situação.

Deve ser dito ainda, se possível, o veículo causador do acidente, número da placa, chassi e nome do proprietário (exceto se ele não identificado), nome completo e documentação das vítimas e das testemunhas, caso existam; a data correta do acidente e o horário; e a narrativa de como ocorreu.

A vítima deve ainda apresentar uma cópia simples de algum documento, recibos e ou notas fiscais do que foi gasto em medicamentos; comprovante de residência; boletim do primeiro atendimento médico ou relatório do médico informando quais as lesões sofridas pela vítima e o tratamento realizado.

Invalidez permanente 

Em caso de invalidez permanente, a vítima deve apresentar uma cópia autenticada ou o próprio B.O original; a identificação e assinatura da autoridade competente e do comunicante; bem como a do veículo causador do acidente, número da placa, chassi e nome do proprietário do veículo, exceto para os casos de veículo não ter sido identificado. O acidentado também deve apresentar testemunhas, caso existam; a data correta do acidente e o horário; e a narrativa do ocorrido.

Torna-se necessário também o laudo do Instituto Médico Legal (IML) da localidade em que ocorreu o acidente, informando a extensão das lesões físicas ou psíquicas da vítima e, ainda, o estado de invalidez permanente; o boletim de primeiro atendimento médico;​ além de comprovante de residência. Já em caso de morte, a apresentação dos documentos vai depender da situação que a vítima se encontrava: solteira, casada, separada, com filhos ou não. Para mais informações, acesse o site da Seguradora Líder.

Diário do Nordeste

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.