Pesquisa no Ceará aponta cera de carnaúba como alternativa para tratar colesterol alto e diabetes

Desde 2011 o grupo realiza pesquisas sobre o composto

Uma pesquisa realizada pela Universidade Estadual do Ceará (Uece) analisou o composto químico da cera da carnaúba nomeado de PCO-C (de pó cerífero de origem da carnaúba) que pode ser alternativa de tratamento para doenças relacionadas ao colesterol alto, glicemia e triglicerídeos.

O estudo fez testes em roedores, apresentando resultados “melhores que as drogas que são utilizadas atualmente”, como explica a nutricionista e doutora em biotecnologia, Paula Rodrigues, à frente da pesquisa. “Nossa intenção daqui pra frente é fazer testes em humanos e desenvolver um produto que, a partir da cera de carnaúba, (possa) ajudar no controle dessas doenças”.

Cera de carnaúba como objeto de pesquisa

Paula explica que a carnaúba foi escolhida como objeto de estudo pela semelhança química com outros compostos já utilizados pela indústria farmacêutica e por conta de sua importância econômica para o Ceará. “Se a gente conseguir desenvolver mais um produto a partir da cera, acaba gerando desenvolvimento para o Estado, maior renda para população. Principalmente para quem trabalha com extrativismo”, pontua.

Desde 2011 o grupo realiza pesquisas sobre o composto, produzindo materiais científicos para publicação em periódicos internacionais na Uece com orientação da professora Maria Isabel Guedes. O grupo busca apoio da iniciativa privada e uma parceria com a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) pode ser estabelecida.


Com informações do G1

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.