Oposição pode apostar no nome de Caio Rocha

REPETIR 1986

Foi com um nome novo, o de Tasso Jereissati, em 1986, que ocorreu uma transformação na política do Ceará, à época dominada pelos coronéis Adauto Bezerra, César Cals e Virgílio Távora, todos ex-governadores do Estado. Hoje, a oposição admite reeditar aquele momento, indicando um candidato novo, na idade e nas ideias, para concorrer com o governador Camilo Santana. O advogado Caio Rocha é o nome mais cotado para a empreitada. No último encontro de líderes oposicionistas, ao ser lembrado pelo senador Tasso Jereissati, para ser o candidato, animou a todos os presentes. Discreto como é, Caio não fez qualquer manifestação pública a respeito do assunto.

Em 1986, quando todos davam como certa a eleição do Coronel Adauto Bezerra, naquele ano vice-governador do Ceará, após ter sido governador por um período de quatro anos, Gonzaga Mota, o governador, já rompido com os coronéis, apontou o nome de Tasso Jereissati, filiado ao PMDB, para concorrer com Adauto Bezerra, apoiado por quase dois terços dos prefeitos municipais cearenses, além dos dois outros coronéis, como ele, ex-governadores do Estado. Resultado final da eleição, no dia 15 de novembro daquele ano, Tasso obteve 1.407.693 votos contra 807.315 dados a Adauto. Foram eleitos, também, os dois candidatos ao Senado na chapa de Tasso Jereissati.

Mauro Benevides e Cid Carvalho, os dois senadores, derrotaram Paulo Lustosa, ex-ministro e ex-deputado federal, e César Cals, ex-ministro e ex-governador, poucos anos antes da disputa senatorial, também como o candidato a governador, considerados imbatíveis, tal o espaço político ocupado durante vários anos do período da exceção.

Foi realmente, naquele ano, um derrota acachapante dos grandes líderes políticos do Estado até aquele momento. O governador Gonzaga Mota foi eleito pelos três Coronéis, tendo Adauto Bezerra como o seu vice. Sob o comando do senador Tasso Jereissati, o Ceará experimentou uma grande renovação política, nascendo daí os irmãos Ciro e Cid Gomes, com o primeiro sendo eleito prefeito da Capital e logo em seguida governador do Estado, apontado por Tasso. Portanto, essa realidade de hoje nasceu na década de 1980.

Ruptura

Naquela época, como agora, embora por razões diferentes, se buscava a ruptura. Mesmo sem os generais presidentes da República, como no período da Revolução de 1964, a maioria dos políticos tinha a marca do regime de exceção, o que sugeria mudanças.

Hoje, com a classe política execrada por conta das mazelas atribuídas aos representantes políticos nos três níveis de Poder, o desejo de afastá-los é grande, abrindo um enorme espaço para a eleição de pessoas comprometidas com ética e o respeito à coisa pública.

Caio Rocha é o nome que atende a todos os requisitos explicitados pelos líderes oposicionistas locais e nacionais, como ser jovem, competente, bem-sucedido profissionalmente, atento às questões do Estado e do País. É uma figura de bom trato e bem relacionada com representantes de todos os segmentos políticos e sociais do Estado.

Até bem pouco presidiu o Superior Tribunal de Justiça Desportiva, sendo hoje um dos conselheiros cearenses da Ordem dos Advogados do Brasil. O nome de Caio Rocha já circulava nos bastidores da política cearense como um dos prováveis candidatos a governador do Ceará, por suas ligações pessoais com o deputado Rodrigo Maia, presidente da Câmara dos Deputados, um dos nomes citados como postulante ao cargo de presidente da República.

Caio é o cearense mais próximo de Rodrigo Maia. O presidente da Câmara dos Deputados, quando veio ao Ceará prestigiar a filiação do deputado federal Danilo Forte ao DEM, em dezembro passado, foi recepcionado por Caio, um dos filiados ao mesmo DEM de Maia.

Pesquisa

Este ponto também foi abordado na reunião dos oposicionistas cearenses, onde estavam o senador Tasso Jereissati, os deputados federais Domingos Neto, Genecias Noronha e Raimundo Gomes de Matos, o vice-prefeito de Maracanaú, Roberto Pessoa, o deputado estadual Carlos Matos, o conselheiro e ex-vice-governador do Ceará, Domingos Filho, o ex-presidente do PSDB, Luiz Pontes, e o atual, Francini Guedes, também defensores de um novo na disputa estadual.

O anúncio do nome do candidato para disputar com Camilo Santana só se dará, porém, próximo do fim de março, quando já determinados estiverem os postulantes à Presidência da República. O PSDB vai patrocinar uma ampla pesquisa, quantitativa e qualitativa, sobre a sucessão cearense. Eles querem informações para nortear a campanha, além de ganharem tempo para que fique aclarada a situação da política nacional, ainda mais duvidosa após a confirmação da condenação do ex-presidente Lula a pouco mais de 12 anos de prisão, o que teoricamente o deixa fora da disputa presidencial.

Ademais, no próprio PSDB ainda paira dúvida quanto à sustentação ou não da pretensão do governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, de disputar o lugar hoje ocupado pelo presidente Temer. Tem tucano admitindo que se ele não alcançar ao menos 15 pontos nas pesquisas de intenção de votos até o fim de março, não há como o partido mantê-lo como candidato, ressurgindo, então, o nome do apresentador de televisão, Luciano Huck, com quem tucanos importantes têm mantido contatos permanentemente. Huck pode ter o apoio do PSDB, mesmo estando filiado a outra agremiação.

Discurso

O governador Camilo Santana, no seu pronunciamento ontem, na abertura dos trabalhos da Assembleia Legislativa, como não poderia deixar de ser, deu ênfase à questão da Segurança Pública. Ele foi duro com os adversários que exploraram politicamente as duas chacinas ocorridas no último fim de semana no Ceará, com 24 mortos, ao condenar os “discursos oportunistas e politiqueiros” quando, realmente, o mais importante seria a união de todos para mostrar aos marginais que todos os segmentos cidadãos da sociedade os renegam e estão aliados às autoridades que os combatem.

Camilo também reclamou deste e dos demais Governos da República, por ainda não termos um Plano Nacional de Segurança, quando em todos os estados brasileiros a bandidagem quer intimidar as pessoas de bem. Camilo falou sobre a Segurança em dois momentos. O primeiro, na ordem cronológica que estabeleceu para destacar os feitos do seu Governo no ano passado. E o segundo, de improviso, no fim do discurso. Este mais bem inflamado e dirigido aos adversários que exploraram as negativas e dolorosas ocorrências dos últimos dias no Estado.

Diário do Nordeste

você pode gostar também Mais do autor

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.