GOVERNO REVOGA CONDIÇÃO DE REFUGIADO DO TERRORISTA ITALIANO CESARE BATTISTI

Cesare Battisti foi condenado duas vezes na Itália à prisão perpétua

O governo revogou, nesta quarta-feira (11),  a condição de refugiado do terrorista italiano Cesare Battisti. Sendo assim, caso o Supremo Tribunal Federal (STF) não conceda um habeas corpus preventivo, Battisti  poderá ser extraditado.

No final de setembro a defesa de Battisti entrou com pedido de habeas corpus no STF para evitar uma eventual extradição, deportação ou até expulsão do Brasil. O relator do caso é o  ministro Luiz Fux. Não existe uma data definida para que o caso seja julgado e a decisão é monocrática.

Caso demore a sair a decisão de Fux, existe a possibilidade da subchefia de Assuntos Jurídicos da Presidência elaborar um parecer para que o presidente Temer chancele a volta do Terrorista para a Itália.

Cesare Battisti foi condenado duas vezes na Itália à prisão perpétua, acusado de quatro assassinatos na década de 70, quando era membro do grupo Proletários Armados para o Comunismo (PAC), de extrema esquerda.

Em 2010, o então presidente Luiz Inácio Lula da Silva concedeu-lhe “asilo político”, apesar da decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) de extraditar o criminoso.

O advogado Igor Tamasauskas, responsável pela defesa do terrorista, divulgou nota onde ressalta o discurso de seu cliente “A revisão da decisão presidencial não é mais possível, devido ao decurso do prazo”.

E diz confiar que o presidente Temer “respeitará as normas brasileiras”. Leia a nota:

“Acerca das notícias sobre uma suposta revogação do refúgio concedido a Cesare Battisti, sua defesa entende ser imprescindível sua manifestação prévia em qualquer procedimento tendente a reabrir a discussão sobre sua extradição. E Battisti sequer foi intimado para isso.
A revisão da decisão presidencial não é mais possível, devido ao decurso do prazo e ao fato de não haver qualquer vício na conclusão final, como reconhecido pelo próprio Supremo Tribunal Federal.
A prescrição da pretensão punitiva pelos crimes a ele imputados no país de nascimento também impede sua extradição.
Confia-se, assim, que o Presidente da República, conhecido professor de Direito Constitucional, respeitará as normas brasileiras, mesmo diante de pressões políticas internas e externas.”

Diário do Poder

você pode gostar também Mais do autor

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.