Criminosos destroem lâmpadas, danificam rede elétrica e deixam comunidades às escuras

Comunidades inteiras estão às escuras

Comunidades inteiras estão às escuras e sem reparo da rede de energia elétrica em virtude dos ataques ocorridos no Ceará desde a madrugada da quarta-feira (2). Criminosos destruíram as lâmpadas de iluminação pública na periferia de Fortaleza e danificaram a rede elétrica. Sem segurança, os veículos e funcionários da Enel, distribuidora de energia no Estado, não conseguem fazer a manutenção.

No Conjunto Jardim União, em Fortaleza, os moradores estão sem energia elétrica nas ruas e nas casas desde terça-feira (8).

183
Este é o número de ataques registrados até agora no Ceará devido à onda de violência que começou na madrugada de 3 de janeiro. Incêndios em ônibus e caminhões e explosões em estruturas de viadutos e pontes são algumas das ações criminosas.

O mesmo ocorre na Rua Submarino, no Bairro Bom Jardim; além da falta de energia elétrica, os postes estão em curto-circuito, de acordo com os moradores. A Enel suspendeu o atendimento à população após ter 11 carros incendiados durante os ataques iniciados no Estado, quando criminosos passaram a incendiar ônibus, transportes escolares, veículos de prefeituras, prédios públicos e estabelecimentos comerciais na capital e no interior.

Os criminosos realizam os ataques numa tentativa de fazer com que o Estado recue de medidas contra criminosos presos, como a fiscalização da entrada de celulares nos presídios e a divisão nas unidades por facção. O Estado afirmou que não iria “recuar um milímetro”.

Em nota, a Enel, empresa distribuidora de energia do Estado, disse que está retomando, aos poucos, os serviços de reparo e manutenção da rede elétrica.

Ao mesmo tempo, a Enel afirma que nos locais onde são identificadas situações de risco há uma demora maior no atendimento, uma vez que é necessária a escolta de agentes da Polícia Militar nesses atendimentos.

Ainda de acordo com a empresa, no período da noite são realizados apenas atendimentos emergenciais, aquelas onde há risco de vida para a população.

Com os ataques em série, a população de Fortaleza e da Região Metropolitana sofre ainda com interrupções frequentes no transporte público, falta de coleta de lixo e com o fechamento do comércio, que já sente as vendas despencarem.

De acordo com o Governo do Estado, 277 suspeitos foram capturados por envolvimento nos ataques e 406 agentes da Força Nacional estão atuando nas áreas mais críticas.

Serviço

Os clientes da Enel podem entrar em contato pelo aplicativo Enel Ceará, que pode ser baixado gratuitamente para iOS e Android; pelo site da companhia; pelas redes sociais – Facebook e Twitter (@enelclientesbr) ou ainda pela Central de Atendimento (0800 285 0196).

 

Diário do Nordeste

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.