Boulos diz que classificar MST e MTST como terrorismo é “descalabro” de regime autoritário

O projeto está sob relatoria do senador Magno Malta (PR-ES)

O coordenador do MTST (Movimento dos Trabalhadores Sem Teto) Guilherme Boulos afirmou nesta quinta-feira (8) que a tentativa de classificar ações de movimentos sociais como terrorismo é um “descalabro próprio de pessoas e regimes autoritários”.

“Qualificar a luta social como terrorismo é próprio de quem não consegue conviver com oposição, de quem não consegue conviver com contestação, de quem não consegue conviver com democracia”, disse em entrevista concedida a jornalistas após visitar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) na prisão em Curitiba.

A declaração de Boulos foi uma crítica às mobilizações recentes realizadas no Congresso para ampliar a Lei Antiterrorismo, sancionada com vetos em 2016 pela então presidente Dilma Rousseff (PT).

Na semana passada, senadores tentaram dar andamento a uma proposta que altera pontos da lei –entre eles, a possibilidade de tipificar como terrorismo atos de “motivação política, ideológica ou social” e que coloquem em risco a liberdade individual. Após pressão de parlamentares do PT, a votação foi adiada.

O projeto está sob relatoria do senador Magno Malta (PR-ES), um dos aliados do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL), que já defendeu que atos de movimentos sociais como o MTST e o MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra) sejam tipificados como terrorismo.

Boulos afirmou que os movimentos sociais são responsáveis por diversas conquistas de direitos na história do país e disse que muitos integrantes desses movimentos procuram uma ocupação porque não têm dinheiro para pagar aluguel.

“[Essas pessoas] não ocupam a casa de ninguém, como o preconceito diz, como as fake news dizem. Ocupam imóveis que estão em situação ilegal, de abandono, assim como o MST faz no campo, ocupa latifúndios improdutivos”, disse.

“É disso que se trata. Essas pessoas são terroristas? Alguém que não consegue pagar aluguel no fim do mês é terrorista? Um trabalhador boia fria que vai para uma ocupação para ter uma terra para plantar é terrorista? Isso é descabido”, completou.

O coordenador do MTST ainda afirmou que não se acaba com movimento social com decreto ou com lei, e que “se alguém acredita que isso vai calar ou acabar com a luta dos movimentos sociais, está muito enganado”.

“Querem acabar com o MTST? Só tem um jeito. Construam 6 milhões de casas para todo sem teto desse país. Querem acabar com o movimento sem terra, também só tem um jeito: faça reforma agrária e dê terra para quem precisa”.

Visita a Lula

Ao lado do deputado federal Paulo Pimenta (PT-RS), Boulos visitou Lula na sede da PF (Polícia Federal) em Curitiba, onde o petista está preso desde abril.

Boulos disse que Lula está “bem” e “firme”, mas que está preocupado com o destino do país e com o “risco” aos direitos sociais.

O coordenador do MTST afirmou ainda que o ex-presidente passou o recado de que as pessoas “não se deixem levar por esse momento sombrio” e continuem “na luta”.

Tanto Boulos como Pimenta fizeram críticas à confirmação do juiz federal Sergio Moro para o Ministério da Justiça e Segurança Pública no futuro governo de Bolsonaro.

Eles classificaram o processo do tríplex do Guarujá (SP), que levou à prisão de Lula e foi conduzido por Moro, como “viciado”.

Uol

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.